Motovelocidade

Moto 1000 GP anuncia não realização de seu campeonato em 2016

Momento de economia em crise, corte de orçamentos e indefinição de novos apoios inviabilizam continuidade do evento

Foto: Rodrigo Ruiz/Grelak Comunicação


Veja mais notícias

A direção do Moto 1000 GP anunciou nesta sexta-feira, 20, em tom oficial, a não realização de seu campeonato de motovelocidade na temporada de 2016. Os efeitos da crise enfrentada pelo Brasil e a deterioração do cenário econômico nacional, acentuada desde o início deste ano, trouxeram reflexos incontornáveis, que determinaram a descontinuação do evento, segundo explicou seu promotor e organizador, o ex-piloto Gilson Scudeler. O calendário divulgado no final do ano passado previa uma prova em Santa Cruz do Sul no dia 25 de setembro.

“Estávamos desde julho do ano passado em tratativas de renovação dos acordos com nossos patrocinadores para 2016. O orçamento estava definido e viabilizado em dezembro”, segundo Scudeler. “Só que a cada semana havia uma piora da conjuntura e as dificuldades foram aumentando. A economia veio se deteriorando e isso foi decisivo para que tivéssemos de anunciar essa triste decisão aos pilotos e às equipes do Moto 1000 GP.”

A indefinição dos rumos do momento econômico do Brasil nos primeiros meses do ano adiou as definições de apoiadores que apostaram no evento nas temporadas anteriores e contribuiu para o recuo de pelo menos um novo patrocinador máster. “O campeonato não vai acontecer porque, dentro dessa nova realidade, não conseguimos fechar o orçamento necessário para mantê-lo de acordo com o padrão dos cinco primeiros anos”, afirmou Scudeler.

O novo patrocinador máster do Moto 1000 GP reafirmou, ainda em abril, o interesse na associação de sua marca ao evento. “Estávamos negociando o novo contrato desde o início do ano. O patrocinador nos solicitou mais alguns dias de prazo e também a readequação no modelo de sua participação, o que nos sinalizou que conseguiríamos manter o campeonato, mas a espera acabou se prolongando demais e não houve definições”, revelou o promotor.

A direção do Moto 1000 GP não permaneceu passiva durante a fase em que aguardava definições. “Pelo contrário, buscamos continuadamente novos apoiadores para recompor o orçamento, ou pelo menos parte dele, para manter o campeonato em atividade com o mesmo padrão”, detalhou Scudeler. “Avaliamos a adoção de novos formatos, como a redução de duas etapas e a readequação da nossa estrutura, mas a conta não fechou, infelizmente”.

Gilson Scudeler comentou que o campeonato de 2016 seria o melhor da história do Moto 1000 GP. “Trabalhamos nisso desde a metade de 2015, tudo já estava delineado e um novo patrocinador estava chegando. Infelizmente um somatório de dificuldades atingiu duramente o nosso planejamento. Só tenho a agradecer aos pilotos, às equipes, a apoiadores e patrocinadores, à imprensa e aos torcedores. É um ciclo que se fecha na motovelocidade”, encerrou.






Continue lendo