Sociedade de Pediatria do RS alerta para riscos dos spinners

31/08/2017 15:26:05
Foto: Divulgação

A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul alerta pais e cuidadores para os riscos associados aos brinquedos conhecidos como “spinners” ou “hand spinners”. Existem diversos modelos destes brinquedos, incluindo alguns contendo luzes de LED e baterias de lítio. Há relatos em todo o mundo de ingestão de partes destes brinquedos, sendo o risco maior de engasgo ou ingesta das baterias. Em Porto Alegre já ocorreu pelo menos um caso de ingestão de bateria, felizmente com boa evolução.

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), em junho de 2017, já alertou para os perigos do uso do brinquedo e lembrou a importância de ser comercializado com o selo de identificação do Instituto, o que assegura a conformidade com as regras de segurança. Também contra indicou o uso em crianças menores de 6 anos e no caso das maiores, que seu uso seja sempre supervisionado por um adulto.

No exterior já foram emitidos alertas, sendo que em maio, na Alemanha, 35 toneladas importadas da China foram apreendidas, por não apresentarem a marca CE (conformidade europeia). No Brasil, em São Paulo, no mês de junho foram apreendidos 14 mil hand spinners que não possuíam notas fiscais, adquiridos no Paraguai.

A ingestão de baterias de lítio oferece diversos riscos. O principal deles, no caso da bateria ficar alojada no esôfago, pode levar a erosão e perfuração da mucosa, com potenciais consequências catastróficas. Pode levar a internação hospitalar prolongada e necessidade inclusive de intervenção cirúrgica.

No caso da bateria se alojar no estômago as consequências são mais relacionadas a lesão local da mucosa, com formação de erosões e gastrite química. Após a ingestão de baterias deve se indicar a remoção endoscópica, desde que o corpo estranho ainda esteja ao alcance, ou seja, esteja localizado no esôfago ou no estômago. Após sair do estômago não é mais possível a remoção endoscópica, sendo necessária a monitoração do paciente até a saída da bateria nas fezes.

Portanto, é fundamental que a sociedade tenha conhecimento do perigo envolvido no uso de qualquer brinquedo que não seja regulamentados pelo Inmetro que podem ingressar no nosso país de forma irregular. A comercialização de itens sem o selo de identificação do Inmetro deve ser denunciada no seguinte endereço eletrônico: inmetro.gov.br/ouvidoria/ouvidoria.asp, ou no telefone: 0800 285 1818, de segunda a sexta feira, das 8 horas às 18h40.

Postado por MICHELLE TREICHEL- michelle@gazetadosul.com.br
Gazeta Grupo de Comunicações
Rua Ramiro Barcelos, 1206 | Santa Cruz do Sul - RS
(51) 3715-7800 | portal@gaz.com.br
Desenvolvido e Mantido por
Equipe de TI Gazeta Grupo de Comunicações