A escolha correta do sexo do animal facilita a convivência

03/03/2017 16:13:31
Foto: Divulgação

A comunicação entre os animais é vital para a sua sobrevivência na natureza, tendo em vista que são seres sociais, acostumados a viver em matilhas desde a antiguidade, com características marcantes no seu comportamento. Na maioria das vezes, a relação entre o animal e o seu tutor fica comprometida devido a uma falha na comunicação ou na escolha errada do sexo do animal.

"O animal sente e reage de acordo com os estímulos promovidos pelo ambiente. Portanto, se houver respeito e carinho, a reação do animal será à altura, mas existe uma grande diferença no comportamento da fêmea em relação ao do macho", orienta Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News (www.revistaecotour.tur.br) e idealizadora do Dia Nacional de Adotar um Animal.

As fêmeas geralmente são mais dóceis, meigas e apegadas aos membros da família. Costumam fazer mais companhia e serem mais caseiras. Raramente fogem de casa. Os machos possuem um temperamento mais constante, pois são menos atingidos pelas oscilações hormonais, embora sejam, em geral, mais transgressores.

Com seu forte espírito explorador e reprodutivo, o macho se aventura, pulando até muros com muito mais facilidade. Para a espécie canina, as pessoas da casa são membros de sua matilha. Porém, os machos estão sempre disputando a liderança dessa matilha, enquanto as fêmeas dificilmente o fazem, aceitando as ordens com facilidade.

As fêmeas são mais receptivas aos ensinamentos relativos à higiene, em especial quanto ao ato de urinar, que para elas significa simplesmente esvaziar a bexiga, enquanto que para os machos representa demarcação de seu território. Por isso, é mais difícil ensiná-lo a urinar apenas no local desejado. Os machos têm mais exuberância na aparência física, inclusive no que diz respeito à pelagem. Em certas raças, possuem massa muscular muito mais desenvolvida, sendo considerados mais bonitos e fortes.

“Quanto à eficiência na guarda, o macho é, sem dúvida, mais imponente. Em geral, são mais agressivos e alertas, o que cuidados especiais”, diz. É preciso atentar se o local onde for ficar é bem cercado, pois poderá ser atraído por odores que despertam seu interesse, como os de cadelas no cio ou de presas para caçar, o que propicia a ocorrência de acidentes e desaparecimento dos pets.

Uma boa opção é combinar um macho com uma fêmea, aliando as qualidades de cada um. Juntar mais de um macho com uma fêmea, não é recomendável, pois pode ocorrer brigas entre os machos. Várias fêmeas e um macho podem causar brigas de ciúmes entre as fêmeas. Várias fêmeas e machos também gera um ambiente de disputa e brigas. Para maiores informações, acesse: www.adotarebomdemais.com.br.

Postado por MICHELLE TREICHEL- michelle@gazetadosul.com.br
Gazeta Grupo de Comunicações
Rua Ramiro Barcelos, 1206 | Santa Cruz do Sul - RS
(51) 3715-7800 | portal@gaz.com.br
Desenvolvido e Mantido por
Equipe de TI Gazeta Grupo de Comunicações